Entendendo como sociopatas pensam: Por que é bom perguntar por quê

Muito frequentemente durante meu processo de recuperação, outras pessoas vinham me falar – tanto gente que tinha sido alvo de psicopatas como gente que não – que não importa porque o sociopata fez o que ele fez. Foque em você, eles dizem. Descubra porque você foi vulnerável e que tipo de padrões de comportamento você precisa mudar. Não importa porque o sociopata te traiu / mentiu para você / te chifrou / te manipulou, eles dizem. Foque em VOCÊ! Apesar de eles terem boas intenções, as palavras deles não me ajudaram.

É absolutamente importante e necessário fazer uma introspecção e aprender tudo o que pudermos sobre nós mesmos enquanto tentamos, engatinhando e tateando, sair da escuridão. No entanto, esse tipo de auto-descoberta pode e deve esperar. Antes disso (e ao mesmo tempo que isso), é necessário dar sentido ao que acabou de acontecer conosco para que possamos construir uma base para o nosso processo de cura.  E para muitos de nós, imediatamente após percebermos que fomos enganados e traídos, o pensamento queimando na nossa mente é…POR QUÊ??? Por quê o sociopata mentiu tanto? Por quê se empenhou tanto em me convencer que me amava, só para me descartar com tanta indiferença? Por quê ele passou tanto tempo comigo, se ele nunca, nem por um minuto, se importou comigo? Por quê ele não cortou relações comigo antes de sair atrás de outros “relacionamentos”? Por quê ele de repente se transformou em uma pessoa completamente diferente? Por quê ele me faz sentir como se eu estivesse ficando louca? E a lista continua ad eternum

Podemos encontrar as respostas a essas perguntas de POR QUÊ entendendo como exatamente os sociopatas operam. Quando digo “ententendo”, não quero dizer que deveríamos entender emocionalmente os comportamentos e desculpas deles de jeito NENHUM. O que eu quero dizer é que podemos e devemos entender intelectualmente o comportamento deles, porque dessa forma, encontraremos uma nova sabedoria, e retomaremos nosso poder! Abaixo, eu sumarizo os principais conceitos que eu aprendi sobre a mente psicopática, de vários especialistas da área:

A sociopatia se define em um espectro
Sociopatas não são facilmente identificáveis. Na verdade, pode ser excepcionalmente difícil determinar se alguém é um sociopata. Mesmo psiquiatras profissionais são enganados facilmente, e muitos terapeutas têm um entendimento limitado de distúrbios de personalidade em geral. Além disso, algumas pessoas exibem mais traços sociopáticos do que outras, e é por isso que a sociopatia se define em um espectro. Algumas pessoas sociopatas são muito obviamente egocêntricas e egoístas, por exemplo. Outras são muito mais veladas em seu narcisismo. Isso é apenas um exemplo das diferenças. Talvez seja por isso que tantos termos sejam usados para descrever pessoas que exibem traços de personalidade anormais, incluindo “sociopata”, “psicopata” e “narcisista”. Para acrescentar na confusão, psicólogos, terapeutas e pesquisadores não entram em acordo sobre que termos deveriam ser utilizados e como deveriam ser definidos. Apesar da controvérsia, permanece o fato de que uma pessoa que exibe qualquer traço de sociopatia é tóxica e deve ser evitada.

Sociopatas não têm consciência
Sociopatas sabem intelectualmente a diferença entre certo e errado. Eles entendem as expectativas da sociedade. Eles entendem o aspecto que um comportamento moral deve ter. Eles inclusive entendem que ações têm consequências. O problema é que eles não se importam. Eles não sentem remorso nem culpa. Eles não têm uma bússola interna que os guie, então eles fazem o que bem entendem em qualquer momento. Essa falta de consciência significa que não importa para eles se eles estão pisando nos direitos, sentimentos ou segurança dos outros. Significa que eles não têm limites e portanto são capazes de tudo; é uma receita para crueldade e depravação intermináveis [*depravação não necessariamente sexual – Nota da Tradução].

Sociopatas sentem uma gama limitada de emoções humanas
Sociopatas estão infestados de anormalidades emocionais, o que faz deles um casco vazio. Eles experienciam sentimentos “superficiais”, o que significa que virtualmente todas as emoções deles são transitórias, se é que eles sentem alguma. Eles parecem sentir raiva e inveja em potência máxima, o que alimenta um comportamento agressivo em muitos deles. Porém, qualquer raiva que eles exibem tem uma duração surprendentemente curta.

Por causa desse defeito, sociopatas são incapazes de se conectar de verdade com outras pessoas. Eles são incapazes de sentir empatia real por outros, são incapazes de compaixão, e eles não sofrem, porque eles não conseguem se identificar com dor emocional. Eles vivem uma vida vazia de prazer verdadeiro, incapazes de apreciar um pôr-do-sol ou a companhia de um animal ou de outra pessoa. Eles só conseguem obter excitações temporárias e que não significam nada através de coisas como sexo, comida, ou manipular e enganar outras pessoas. Mais abominavelmente, essa deficiência emocional significa que eles são incapazes de amar. Isso também quer dizer que eles precisam passar a vida toda vendo outros e aprendendo a imitar comportamentos que eles são incapazes de apresentar naturalmente; nesse sentido, eles se transformam em camaleões desvairados.

O vazio deles também faz com que eles estejam cronicamente entediados. O tédio é quase doloroso para eles, e eles farão qualquer coisa para aliviá-lo. Isso contribui para a tendência deles de agir por impulso e sem consequências. Por exemplo, é muito comum para psicopatas serem viciados em álcool, ou sexo, ou drogas (ou qualquer combinação entre esses 3). E basicamente, eles farão qualquer coisa para se livrar do tédio deles, porque não tendo consciência e nem empatia, eles não se importam quem sai machucado no processo.

Sociopatas vêem tudo na vida – inclusive relacionamentos – como jogos a serem ganhos
Sociopatas têm uma necessidade insaciável de ganhar. Esse desejo de vencer é tão forte que eles às vezes vão se derrubar a eles mesmos no processo de se tornar “o vencedor”. Porque eles são incapazes de construir relacionamentos reais, eles vêem as interações deles com outros como jogos. Outras pessoas são simplesmente peões de tabuleiro com os quais eles podem jogar. E porque eles não têm consciência, eles inventam as próprias regras antiéticas e que sempre mudam para esses “jogos”. Eles usam táticas como espelhamento, decepção, projeção, gaslighting, contos de pena, e outras formas de abuso emocional e físico para idealizar, manipular, confundir e intimidar outros, tudo em nome da “vitória”.

Sociopatas vivem para explorar outros
O objetivo final da vida de qualquer sociopata é fazer o que for preciso para conseguir o que ele ou ela quer naquele momento. Já que sociopatas não entendem o conceito de amor, eles vêem as outras pessoas como objetos a serem ganhos, usados e descartados. Então, em todas as interações com outros, eles seguem um padrão clássico – idealizar, desvalorizar e descartar – uma e outra vez, de novo e de novo. Eles estão constantemente vasculhando para encontrar alvos potenciais e analisando-os como fontes de fornecimento. Os desejos deles mudam inesperadamente e abruptamente, a qualquer momento eles podem querer dinheiro, um teto para a noite ou lugar para morar, sexo, ou mesmo um manto de normalidade (para se cobrir e ludibriar pessoas para que não descubram que eles são o que são), ou até mesmo uma emoção eletrizante rápida.

Eles frequentemente jogam pessoas fora repentinamente e brutalmente, ignorando-as por dias, meses ou até anos, e então as contatam novamente como se nada tivesse acontecido, como se nenhum tempo tivesse passado e tudo estivesse bem. Eles acham divertido engodar os alvos de volta para a rede deles e o jogo deles, se isso servir o propósito deles. Nada consegue impedi-los de perseguir o que quer que eles queira e do jeito que eles querem .

Sociopatas oferecem “pistas” sobre quem eles realmente são
Pistas sociopáticas são mais uma tática de manipulação usada para explorar outros. Eles se especiallizam em fazer jogos mentais com outros, e pistas são uma forma efetiva para confundir os seus alvos. É só depois do abuso, depois que o sobrevivente já se afastou, que o sobrevivente começa a enxergar a verdade por trás dessas pistas.

Elas vêm em 3 formas: projeção nos outros, comentários verdadeiros, e afirmações que são o exato oposto da verdade.

Projeção
Quando sociopatas projetam, eles estão dando aos seus alvos pistas camufladas. Eles falam sobre como outras pessoas chifram, traem ou mentem para machucar os outros, como se eles abominassem esse tipo de comportamento, quando na verdade eles estão descrevendo eles mesmos. E durante a fase de desvalorização no “relacionamento” deles, eles frequentemente projetam essa negatividade nos alvos, em uma tentativa de fazer as vítimas duvidarem delas mesmas. Isso também tem o efeito de fazer os alvos se sentirem como se estivessem enlouquecendo.

A Verdade
Sociopatas contam aos seus alvos exatamente quem eles são, mas o fazem de tal forma que é impossível para as vítimas entenderem as consequências de suas horríveis afirmações. Os alvos podem ouvir comentários como “Você não deveria estar comigo”, ou “Eu nunca tive um bom relacionamento”, “Eu sou incapaz de amar alguém”, ou “Eu sou um monstro”, ou “Eu tenho problemas muito, muito sérios”, “Eu queria machucar alguém”, “Meu coração é podre e sombrio”, “Eu não gosto de gente”, etc. Sociopatas transformam essas declarações em contos de pena e se sentem secretamente justificados em explorar suas vítimas quando elas não percebem que essas afirmações são reais.

O Oposto da Verdade
Sociopatas convencem suas vítimas de que eles nunca vão mentir ou trair e de que eles as amam tanto. Eles também prometem que nunca farão nada para magoar ou machucar suas vítimas. Eles frequentemente enganam os alvos fazendo alegações que são precisamente o oposto da verdade.

Sociopatas acreditam que são seres superiores
Sociopatas não vêem nada de errado em usar pessoas e depois jogá-las fora. Eles se sentem completamente justificados mentindo, traindo, roubando, chifrando, e manipulando os outros. Na verdade, eles não apenas não vêem nada de errado com o comportamento deles, como eles acreditam realmente que eles são incrivelmente superiores às outras pessoas! Cada vez que eles são capazes de dar um golpe no alvo deles, eles vêem isso como evidência da fraqueza do alvo. E eles não sofrem de baixa auto-estima ou inseguranças (apesar de eles frequentemente fingirem que eles “se sentem” assim para poder manipular os outros). Ao contrário, eles são egocêntricos e arrogantes. E isso torna impossível para eles se beneficiarem de terapia, e isso faz com seja impossível que eles mudem. Por que eles mudariam, quando eles acreditam que eles já são melhores que todo o mundo? Isso, acredito, é a principal razão pela qual NÃO EXISTE CURA para a sociopatia. [a parte do cérebro deles que deveria processar emoções não processa. É como nascer sem uma parte do cérebro. Não tem remédio nem transplante, e muito menos amor e carinho ou “a pessoa certa“, que conserte]

Apesar de ser muito difícil para pessoas como nós, dotadas de emoções, compreender essa forma tão não-humana e tão perturbadora de ver o mundo, compreender isso pode nos ajudar a nos proteger. Eu descobri que tudo o que eu aprendi sobre comportamento sociopático me ajudou a encaixar as peças desse terrível quebra-cabeças, e apesar de ser hórrido ver a imagem completa, isso também me empoderou e me permitiu confiar na verdade da minha própria experiência. Espero que isso faça o mesmo com você. Não tem problema perguntar por quê!

Para ler mais sobre o tópico (em inglês), clique:
https://www.psychopathfree.com/bookshelf.php?tabid=125

Este artigo está incluido no livro The Survivor’s Quest (A jornada do Sobrevivente), disponível (em inglês) na Amazon:
http://www.amazon.com/Survivors-Ques…ivor%27s+quest

– texto de HealingJourney para o PsychopathFree.com, traduzido por LDP

FOTO:
🔮🌊💜✨

4 thoughts on “Entendendo como sociopatas pensam: Por que é bom perguntar por quê

    1. Ai Amanda! Que felizes ficamos com o elogio! E desculpa ter passado mais de um ano para responder – e não ter postado nesse tempo. É que em 2016 quisemos dar um tempo de todo esse tema e viver a nossa vida… Agora já dá para voltar confortavelmente ao tema desde um ponto de vista menos afetado 🙂 Voltamos a ver o blog e a página de facebook e ficamos super supres@s ao ver tanta gente comentando e pedindo mais! Com certeza voltaremos a postar! Mas enquanto isso, uma das leitoras do facebook mandou um link de um vídeo chamado “8 sinais que identificam psicopatas”, de um canal do YouTube que chama Nerdices Aleatórias. Enquanto não sai artigo novo por aqui, super recomendo o canal!

  1. São monstros vestidos de pessoas, eles tem um poder destrutivo q dói a alma. Estou em processo de recuperação, tudo q li caiu como uma luva com todas as características do ex. É libertador ao mesmo tempo causa repulsa por existirem esses monstros entre pessoas de bem. Obrigada! Artigo esclarecedor e fantástico

    1. Oi Cristiane! Desculpe estar meses sem responder! Precisei me afastar do tema como um todo, para me fortalecer. Mas que bom que você achou esse site! Eu também só consegui entender o que estava acontecendo depois que comecei a ler e ver que tudo o que lia caía como uma luva… E todo mundo descreve a mesma coisa, então dá para a gente ter certeza! Ontem na nossa página do facebook, uma leitora mandou um vídeo que ela achou no YouTube, chamado “8 sinais que identificam psicopatas”, de um canal novo que chama “Nerdices Aleatórias”. Procura lá no YouTube! De novo, mais pessoas falando sobre isso. Espero que você já esteja completamente libertada! 🙂

Comments are closed.