Mentiras patológicas: Uma ferramenta de manipulação dos psicopatas

“A enganação é a pedra angular do comportamento sem consciência.” ~ Martha Stout, The Sociopath Next Door

No início da minha recuperação, logo depois que eu descobri que o homem que eu pensei que conhecia nunca tinha existido, eu me agarrei a uma verdade sólida que eu tinha finalmente descoberto: ele era um MENTIROSO. Eu me agarrei firmemente a esse fato e comecei a pesquisar “mentira patológica” na internet. Infelizmente, eu não achei nada útil. Foi só quando com muito esforço eu encontrei meu caminho para a sociopatia / psicopatia que eu fui descobrir respostas precisas às minhas várias perguntas! Eu finalmente percebi que mentira patológica e psicopatia estão inextricavelmente ligadas.

Infelizmente, a verdade acima é obscurecida por um popular, e perigoso, pressuposto que existe dentro de nossa sociedade; um pressuposto que ainda por cima é apoiado por pesquisas. Essa suposição é: todo mundo mente. E já que todo mundo faz isso, pois a mentira é aparentemente tão universal e típica, então não deve ser tão ruim assim. Certo? Errado. Sim, quase todos nós já contamos mentiras brancas para poupar os sentimentos dos outros ou com a intenção de proteger os outros. E pessoas normais também mentem para esconder a vergonha que sentem sobre coisas erradas que fizeram, ou porque temem as consequências de seus erros (e logo confessam a verdade, envergonhadas). Mas, há outras pessoas que mentem habitualmente, com a intenção de enganar e manipular os outros para seu próprio ganho pessoal, e não se sentem mal em fazê-lo. Na verdade, eles até se divertem com isso. Essas pessoas são mentirosas patológicas, e esses são os psicopatas.

Depois de muita pesquisa, cheguei à conclusão de que todos os mentirosos patológicos e compulsivos têm transtornos de personalidade, e esses transtornos podem ser colocados em um espectro psicopático. Mentira patológica é o oposto do normal. Vou repetir: a mentira patológica é o oposto do normal! É irrelevante que os investigadores descobriram evidências de que todo mundo mente de uma forma ou de outra. Não só a maioria das mentiras é prejudicial, como mentiras psicopáticas estão além do escopo do que a maioria das pessoas pode imaginar quando se pensa sobre a mentira. Quando alguém mente habitualmente, esse padrão de comportamento está sempre conectado a outros traços e comportamentos extremamente perturbadores.

Mentir é como respirar para os psicopatas, e eles usam isso como uma ferramenta de manipulação das seguintes maneiras:

Psicopatas mentem a fim de dominar os outros
Porque os relacionamentos são jogos para eles, e porque vêem outras pessoas como objetos e se sentem completamente justificados em explorá-las, os psicopatas sabem que a enganação cria condições desiguais no “campo de jogo”. Mentir é parte integrante da gestão da impressão que passam e do espelhamento que fazem; as mentiras permitem a psicopatas apresentar falsas imagens de si mesmos para alvos potenciais. Estes alvos perdem a capacidade de tomar decisões seguras e apropriadas. Eles entram nas relações, inconscientes do perigo que está reservado para eles. Então, uma vez que o alvo está “fisgado”, os psicopatas continuam a usar mentiras, juntamente com uma pitada de verdade, em uma infinidade de formas, para garantir que os seus alvos continuem “jogando”. Eles mentem para encobrir trapaças, chifres, traições pelas costas, alcoolismo, uso de drogas, e às vezes várias atividades ilegais. Eles mentem através da evasão e ocultação de informações. Eles mentem como uma forma de gaslighting, a fim de aumentar seu controle sobre seus alvos, fazendo com que estes constantemente questionem a si mesmos. Eles muitas vezes repetidamente dizem a mentira máxima, que “amam” os seus alvos. E eles mentem apenas para se divertir.

Psicopatas realmente sentem uma forma de prazer quando mentem
Ao contrário de mentiras contadas por medo ou para esconder vergonha, mentiras psicopáticas são frequentemente contadas porque trazem uma forma rasa de prazer para o mentiroso. Isso é chamado em inglês de “Duper’s Delight”, e significa mais ou menos “O deleite de enganar um trouxa”. Isso explica por que os psicopatas às vezes mentem quando mentir completamente desnecessário ou até quando a verdade seria mais vantajosa, ou mais interessante. Psicopatas também incluem uma variedade de detalhes em suas mentiras, não só porque isso faz com que as mentiras soem mais críveis, mas também porque eles gostam de construir uma falsa realidade e fazer os outros acreditarem. Isso alimenta a necessidade de poder que eles têm, e proporciona a eles um entretenimento doentio.

Psicopatas mentem sem esforço algum e são muito convincentes
Psicopatas sentem prazer ao mentir porque lhes falta a gama normal de emoções humanas. Eles são vazios e entediado, eles não têm empatia pelos os outros, e eles não sentem vergonha ou remorso. Este vazio também permite a eles mentir sem o mínimo esforço. Eles podem olhar outras pessoas diretamente nos olhos, sem pestanejar, e mentir rapidamente e sem culpa alguma, mesmo quando confrontados com perguntas de sondagem e evidências de fraude / enganação que cometeram anteriormente. Também é fácil para eles negar mentiras, criar desculpas, e projetar o próprio comportamento nos outros, o que é, claro, uma mentira em si. Embora alguns psicopatas não se incomodem com desculpas (quer dizer, no sentido de “para quê que eu vou me incomodar?”, e simplesmente não pedem desculpa alguma), outros dizem o tempo todo que estão arrependidos, e porque dizem essa mentira sem sentir qualquer vergonha, eles podem parecer tão sinceros.

Psicopatas mentem para fazer os outros sentirem pena deles
Todos os psicopatas sabem exatamente como ganhar a simpatia de seus alvos. Eles são exploradores, e por isso eles se aproveitam do desejo natural que a maioria das pessoas tem em ajudar e cuidar dos demais seres humanos. Eles usam engano (e às vezes uma pitadinha de verdade) para criar uma infinidade de doenças, transtornos e problemas fabricados. Contos de pena comuns incluem doenças e infortúnios falsos, juntamente com exes “loucas”, acidentes de carro, roubos, para citar apenas alguns. Psicopatas geram tantas histórias tristes fingidas quantas forem necessárias, a fim de atrair os outros para seus jogos escusos, uma e outra e outra vez. A habilidade que eles têm de mentir patologicamente com tamanha facilidade e confiança torna possível para eles convencerem os outros de que um número tão implausível de tragédias é plausível, o que, infelizmente, abre a porta para uma variedade de oportunidades de manipulação e exploração.

A reveladora frase de Martha Stout acima “A enganação constitui a pedra angular do comportamento sem consciência”, pode ser traduzida como: mentir é o cerne da personalidade psicopática. Por conseguinte, não pode se separar de outros comportamentos psicópáticos; a mentira está integrada completamente na forma de pensar dos psicopatas e em tudo o que eles fazem. Mentiras patológicas e habituais são o oposto do normal, e são sempre um sinal revelador de um transtorno de personalidade psicopática.

Precisa de apoio de recuperação depois de encontrar um mentiroso patológico? Leia “The Survivor’s Quest” (A jornada do sobrevivente), disponível pela Amazon.

– texto original de HealingJourney, para o PsychopathFree.com , tradução de LDP