A constante

Você já sabe sobre psicopatas. Você já sabe quais são os sinais de alerta. Então, agora vem a grande pergunta: como você se protege?

Bem, antes de quaisquer grandes avanços científicos, você realmente não pode saber com certeza se alguém tem ou não uma consciência. Na verdade, eu não acho que existe qualquer abordagem que permitirá que você identique um psicopata estando 100% confiante.

Felizmente, há um jeito diferente para te manter segura(o). E isso envolve olhar para dentro. Isso funciona com qualquer pessoa, em qualquer lugar, a qualquer hora. É uma pergunta com respostas – muitas respostas.

“Como você está se sentindo hoje?”

Sério, eu estou te perguntando. Porque a maioria das pessoas poderia responder com um comentário casual sobre o fim de semana delas, uma promoção no trabalho, ou o seu programa de televisão favorito.

Mas e você? Talvez você está se sentindo vazia? Extremamente triste? Sem esperança? Talvez você acordou com aquela dor constante no seu coração, corroendo sua alma como um câncer. Você passa o dia tentando manter seus pensamentos livre de temas dolorosos, apenas para descobrir que sua mente continua correndo de volta para eles. Memórias que uma vez te trouxeram tanta alegria, agora te dão enjoo e nojo. Você oscila entre raiva e depressão, porque você é incapaz de decidir qual das duas dói menos.

Isso são respostas.

Agora, se você sente essas coisas depois de um relacionamento, realmente importa se o seu ex era um psicopata, um sociopata, um narcisista patológico, ou simplesmente “só um imbecil do tipo comum”? O rótulo não faz seus sentimentos mais ou menos válidos. Seus sentimentos são absolutos. Eles vão perdurar, não importa por qual palavra você se decidir.

E isso é o que você sabe desses sentimentos: alguém arrancou sua vida pela raiz, te apresentando a um novo tipo de ansiedade que você nunca sentiu antes. Toda uma gama de emoções horríveis que fazem cada dia parecer insuportável. Durante a relação, você pode ter se sentido constantemente à beira de um colapso e desestabilizada(o), preocupada(o) que qualquer erro poderia marcar o fim do seu sonho. Talvez você se pegou desesperadamente se comparando com outras pessoas, tentando reconquistar o seu lugar de direito ao lado de seu parceiro(a).

Então eu pergunto novamente, realmente importa se a pessoa era psicopata?

Você já tem tudo o que você precisa saber – vindo dos seus próprios sentimentos. Você se sentiu horrível perto daquela pessoa, certo? Então, durante o relacionamento, por que isso não foi o suficiente para confirmar que essa pessoa não deveria ter lugar na sua vida?

Porque você foi programada(o) e idealizada(o). Você foi ludibriada(o) para se apaixonar – o mais forte de todos os laços humanos – para que seus sentimentos pudessem ser mais facilmente manipulados.

Pessoas tóxicas nos condicionam a ignorar a nossa intuição, e você precisa aprender a confiar nela novamente. Em vez de julgando de dentro para fora, percebendo de fora para dentro. Quando começamos a nos concentrar em nossos próprios sentimentos, é aí que a cura começa. E se você é como eu, você pode concordar com esta verdade simples: as pessoas boas fazem você se sentir bem, e más pessoas fazem você se sentir mal.

Todo o resto se encaixa a partir daí.

Não dê ouvidos às pessoas que dizem que seus sentimentos devem ser totalmente independente do mundo ao seu redor. Se você tem um coração aberto, isso é impossível. Como seres humanos, temos este dom incrível: a capacidade de fazer outra pessoa se sentir maravilhosa. Com uma palavra, um gesto, ou um sorriso tranquilo. É o que faz o mundo maravilhoso. Uma pessoa normal provavelmente chamaria isso de amor.

Mas você teve uma experiência com um abusador. Alguém que manipulou esse dom para causar dor. E agora você quer saber como evitá-lo para isso nunca mais acontecer novamente. Você está preocupada(o) de se tornar ultra-vigilante, desconfiada(o) de todos ao seu redor. Você sente que precisa de algo extra. Algo além de sua intuição.

Aqui é onde eu gostaria de introduzir a idéia de uma Constante. Sua constante te confortará e protegerá ao longo deste livro, e para o resto de sua vida.

Pense em alguém que você ama. Alguém que sempre te inspira e nunca te desilude. Poderia ser qualquer um, sua mãe, um amigo próximo, um membro do fórum, seus filhos, seu gato, um parente falecido. De verdade, qualquer um. Você pode sentir que você não tem uma Constante. Claro que você tem, apenas imagine uma rapidinho. Imagine um poder mais alto em sua mente, um poder que traz paz ao seu coração. Colorido, brilhante, e cheio de vida. Incorporando todas as qualidades que você mais admira: empatia, compaixão, bondade. Um espírito gentil que sempre vai te manter segura(o). E voilà, você tem uma Constante.

Portanto, agora que você tem uma Constante em mente (tangível ou imaginada), eu tenho algumas perguntas. A sua constante fazer você se sentir desestabilizada(o)? Ansiosa(o)? Ciumenta(o)? Será que o seu coração sobe até sua garganta quando ela fala com você? Quando você está longe da sua Constante, você passa horas analisando o comportamento dela e se defendendo de argumentos hipotéticos?

Claro que não.

Então, por que isso? Por que uma pessoa desdenhosa pode fazer você duvidar de tudo que é bom acontecendo na sua sua vida? Qual é a diferença entre a sua Constante e as pessoas que fazem você se sentir como lixo?

Se você não consegue responder a estas perguntas ainda, você não está sozinha(o). E essa é a beleza de tudo isso. Você não precisa entender por que você não gosta de estar perto de uma pessoa. Você tem uma Constante, e isso é tudo que você precisa saber por enquanto. Auto-respeito vem depois.

Sua constante é um lembrete privado de que você não está louca(o), mesmo quando parece que você está enfrentando o mundo todo. Com o tempo, você vai começar a filtrar as pessoas que fazem você se sentir mal. Você percebe que você não precisa aguentar negatividade quando existe uma Constante que desperta o melhor em você.

Assim que você se tornar mais confortável com a idéia, você estará pronta(o) para fazer a pergunta mais importante de todas: “Eu não deveria sentir esse mesmo tipo de paz com todo mundo na minha vida?”

Com toda a certeza. Então vamos começar.

constant

****************
Leia o capítulo seguinte: A alma-gêmea fabricada, no livro Psychopath Free (em inglês).

Texto de Peace, tradução de LDP

3 thoughts on “A constante

  1. Exatamente como me sinto todos os dias, com raiva de mim, dele, de tudo que eu acreditei! Quero muito que isso passe… afinal fazem 2 dias que terminei com um psicopata! a ficha demora a cair…

Comments are closed.